Hepatite e Colestase: O Que Escondem as Plantas?

Rute Baeta Baptista, Sara Nóbrega, António Pedro Campos2, Flora Candeias, Maria João Brito

Resumo


O diagnóstico diferencial de hepatite colestática aguda na criança previamente saudável em idade escolar inclui múltiplas causas, sendo as infecciosas, tóxicas e auto-imunes, as mais comuns.

Descreve-se o caso clínico de um rapaz de dez anos com icterícia prolongada, eosinofilia (26,3%) e evidência bioquímica de lesão hepática de tipo misto (transaminases 5 a 10 vezes o limite superior do normal, bilirrubina total 14,4 mg/dL, bilirrubina directa 8,3mg/dL, fosfatase alcalina 732 U/L), com gamma-glutamiltransferase e função hepática normais.

Após investigação alargada, incluindo biópsia hepática, admitiu-se etiologia tóxica; tendo-se identificado consumo recente de chás de Cymbopogon citratus (erva-príncipe) e Equisetum arvense (erva-cavalinha) contaminados com pesticidas.

A possibilidade de hepatotoxicidade induzida por chás e pesticidas é discutida, após exclusão de outras causas de doença hepática e dada a recuperação total do doente após quatro meses de terapêutica com ácido ursodesoxicólico.

Na última década, assistiu-se a um aumento substancial de publicações referentes a lesão hepática induzida por tóxicos (fármacos, suplementos alimentares, produtos de ervanária, metais e até pesticidas). O diagnóstico é de exclusão e requer um elevado índice de suspeição.


Palavras-chave


Criança; Colestase Intra-hepática; Hepatotoxicidade; Chás de Ervas; Pesticidas

Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.


 

Licença Creative Commons Desde 2011, todo o conteúdo (excepto onde indicado) está licenciado sob uma Licença Creative Commons 3.0.