Estudo Caso-Controlo de Fatores de Risco Para Síndrome Torácica Aguda em Crianças com Doença de Células Falciformes e Crise Vaso-Oclusiva

  • Ana Teresa Soares
  • Joana Matias
  • Catarina Couto
  • Sofia Fraga
  • Ana Tavares
  • Manuela Braga
  • João Franco
Palavras-chave: Analgésicos Opioides/administração & dosagem, Anemia Falciforme/complicações, Arteriopatias Oclusivas, Criança, Dor/tratamento farmacológico, Fatores de Risco, Síndrome Torácica Aguda

Resumo

Introdução: O síndroma torácico agudo constituiu uma complicação frequente da doença de células falciformes associada a morbilidade e mortalidade significativas.

Material e métodos: Estudo descritivo retrospetivo, caso-controlo, de uma amostra de conveniência de crianças com doença células falciformes seguidas em consulta de hematologia pediátrica de um hospital distrital entre Janeiro/2008 e Junho/2013. Foram incluídos todos os internamentos por crises vaso-oclusivas e considerados casos os internamentos por crises vaso-oclusivas com diagnóstico de síndroma torácico agudo após a admissão e controlos os restantes internamentos por crise vaso-oclusiva.

Resultados: Registaram-se 77 internamentos (35 crianças) – 9 nos casos e 68 nos controlos. Em análise univariada: antecedentes de asma [44% vs 12%;OR16,0(IC90%1,7-21,3)], síndrome torácico agudo[67% vs 29%;OR4,8(IC90% 1,4-16,7)] e valores médios inferiores de hemoglobina basal e à admissão[7,7±0,5g/dL vs 8,1±0,7g/dL;OR 0,9(IC90% 0,8-1,0)] foram mais frequentes nos casos; em análise multivariada: antecedentes de asma [ORa 9,2 (IC90%2,1-40,2)], valor de proteína c reactiva à admissão [ORa1,2(IC90%1,1-1,3] e a analgesia com morfina [ORa11,1(IC90% 1,8-67,7)] apresentaram associação independente significativa ao desenvolvimento de síndrome torácico agudo.

Discussão / Conclusão: Verificou-se associação entre asma, valor de proteína c reactiva e analgesia opióide à ocorrência de síndrome torácico agudo. Antecedentes de síndrome torácico agudo e menor valor de hemoglobina são potenciais fatores de risco adicionais. A forma de administração dos opióides poderá influenciar o seu efeito no risco de ocorrência de sindrome torácico agudo.

Publicado
2017-10-02
Secção
Artigos Originais