Omalizumab na urticária ao frio grave

  • Sara Dias Leite Serviço de Pediatria, Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, Lordelo, Portugal
  • Cristiana Martins Serviço de Pediatria, Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, Lordelo, Portugal
  • Marisa Carvalho Serviço de Pediatria, Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, Lordelo, Portugal
  • Márcia Quaresma Serviço de Pediatria, Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, Lordelo, Portugal
Palavras-chave: Adolescente, Anticorpos Monoclonais Humanizados/uso terapêutico, Omalizumab/uso terapêutico, Temperatura Baixa, Urticária/tratamento

Resumo

Apresenta-se o caso de uma adolescente de 17 anos, com urticária ao frio desde os 10, com reações imediatas diárias e de gravidade variável após contato mínimo com desencadeantes frios, apesar de terapêutica com anti-histamínico H1 e H2 e antagonista dos recetores dos leucotrienos. A doença tinha grande impacto na qualidade de vida, tendo ocorrido dois eventos sistémicos ameaçadores de vida.

Iniciou tratamento com omalizumab, verificando-se melhoria após a primeira administração, e após a quinta sem necessidade de outra terapêutica. Cumpriu oito doses mensais de 300 mg de omalizumab, sem efeitos adversos, ficando assintomática. A doente foi reavaliada aos quatro e 10 meses após suspensão do tratamento, apresentando apenas prurido ligeiro com a prática de exercício físico vigoroso, que melhora com uma toma de anti-histamínico H1.

Publicado
2017-07-07
Secção
Casos Clínicos